Delfino posa para foto com a sua família.
Empreendedorismo

Conexões: como Delfino fez a sua família se engajar no negócio

7/08/2017 • por meuSucesso .com

Aprenda com a história de Delfino Golfeto e veja como ele fez das conexões relacionamentos de valor

A conexão emocional, o relacionamento e a criação de uma base forte e sólida de parceiros, amigos e colaboradores faz parte da missão e trajetória de todo empreendedor. Durante o Estudo de Caso de Delfino Golfeto percebemos a importância dessas características e o quanto elas nortearam o crescimento da rede de restaurantes Água Doce Cachaçaria que chegou a 90 franquias e fatura R$ 140 milhões de reais.

Delfino desde a criação e início do empreendimento, em 1990, fez da conexão emocional uma forte aliada para engajar tanto a família quanto futuros parceiros do negócio que se aliaram ao empreendedor para construírem em conjunto esse sonho. Abaixo elencamos como essa fortaleza do empreendedor, pautada na comunicação e no relacionamento de valor, influenciou diversos âmbitos da vida e do negócio dele.

Família e colaboradores

Delfino conta que quando abriu o empreendimento, por mais que a família ficasse receosa e até acreditasse que ele “estava perdendo o juízo” apoiou a sua ideia e construiu em conjunto com ele o empreendimento. A esposa ficou responsável por cuidar da comida, os filhos muitas vezes ajudavam a vender as cachaças e, inclusive, conheciam bem do negócio fazendo indicações e conselhos sobre as melhores, as que mais vendiam de acordo com o que viam quando Delfino estava vendendo.

Hoje o Diretor de franquias da rede, Julio Bertolucci, começou ainda cedo a ajudar nos negócios de Delfino. Amigo da família, Julio desde os 13 anos frequentava a casa de Delfino e acompanhou a evolução do negócio, que começou num balcão do local e posteriormente ocupou a garagem e cresceu.

Boca a Boca: conquistando Tupã

“Os meus amigos chegavam e falavam: ‘rapaz, têm uns caras que vocês precisam mudar a sistemática com eles porque andam falando que vocês são um time de bobo. Eles dizem que é só ir lá (na Água Doce), tomar um porre e comer bem e depois é só comprar uma garrafinha de cachaça para agradar. E isso foi espalhando. Nós vibrávamos porque era exatamente isso que a gente queria, que essas pessoas trabalhassem para nós e ajudassem na propaganda. Essa publicidade que faziam não custava nada e estavam falando da Água Doce pros amigos. Essas pessoas achavam que estavam sendo espertas, mas elas só ajudavam a divulgar e fazer com que atingíssemos nossos objetivos” – Delfino Golfeto.

Um fator crucial para que o negócio de Delfino decolasse foi o boca a boca. Antes do negócio se estabelecer como um restaurante, o empreendedor fez um pequeno teste em que no balcão da casa começou a oferecer coquetéis de cachaça com aperitivos preparados pela esposa. O cliente comia um pedaço de salame, um torresmo, depois bebia um pouco de cachaça, enquanto isso ouvia toda a história sobre a cachaça e como era feita a bebida e muitas vezes levava comprava uma das bebidas que Delfino oferecia. Por meio dessa estratégia formou-se muitos boatos em torno do assunto por toda a cidade de Tupã, que fez com que em pouco tempo formasse fila para conhecer o lugar.

Essa ação foi essencial para a criação de uma relação forte com os clientes, que acabavam voltando e trazendo ainda mais pessoas par conhecerem o local. Dessa relação muitos amigos foram feitos e as pessoas começaram a frequentar e ir recorrentemente. Foi, então, que o negócio migrou para a garagem, novos pratos surgiram e começou-se a formar um restaurante na própria casa de Delfino.

A importância da palavra

Durante o Estudo de Caso de Delfino percebemos o quanto a palavra tem um peso importante em uma negociação. De certo forma isso pode estar relacionado até com a cultura interiorana em que acordos são feitos por meio de um aperto de mão e palavra dada. Nas relações que Delfino construiu com seus colaboradores e franqueados podemos perceber essa cultura bem presenta do poder da palavra e o quanto o relacionamento é valorizado.

O empreendedor é, inclusive, uma pessoa muito aberta que em um primeiro encontro já conta detalhes de sua vida pessoal criando muitas vezes conexões imediatas com as pessoas transmitindo também confiança e credibilidade. Quer aprender ainda mais com Delfino, veja as lições e aprendizados com o midset do empreendedor.

Comentários